Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020 Fale Conosco Redação: (45) 9.9934-0761
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por que é seguro viver em Hiroshima e Nagasaki, mas não em Chernobyl?

Mundo | 09/08/2020 | 14:02 |

O domínio da energia nuclear é uma das grandes conquistas científicas da humanidade, mas também desencadeou duas tragédias que marcaram a história.

A primeira dessas catástrofes foi um ataque premeditado. Em 6 e 9 de agosto de 1945, os Estados Unidos lançaram duas bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki, no Japão.

Lanternas são vistas no rio Motoyasu ao lado do Domo da Bomba Atômica em Hiroshima para marcar o aniversário do bombardeio — Foto: Kyodo/via Reuters

As estimativas mais conservadoras apontam que, até dezembro de 1945, cerca de 110 mil pessoas morreram em ambas as cidades, como resultado da explosão e da radiação, enquanto outros estudos afirmam que podem ter morrido até 210 mil. A isso se somam os sobreviventes, que sofreram intoxicação radioativa e desenvolveram doenças como câncer ou leucemia.

Pripyat, a cidade perto da usina de Chernobyl, é hoje uma cidade fantasma. — Foto: Getty Images/Via BBC

Desde então, nenhum outro país lançou um ataque nuclear.

O segundo desastre foi um acidente. Na madrugada de 26 de abril de 1986, um dos reatores da usina nuclear de Chernobyl explodiu na Ucrânia.

| Fotos: Efrem Lukatsky/AP |
PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Arena Society
Tradição e qualidade nos mínimos detalhes! Agende seu horário!
Isenção de IPVA saiba como
Contrate Sonoriza Som
Divulgação, Locação de Som e Luzes